Venezuelana que deu à luz logo após cruzar fronteira com o Brasil passa o 1º Dia das Mães em SP

Venezuelana que deu à luz logo após cruzar fronteira com o Brasil passa o 1º Dia das Mães em SP

Há um mês na cidade, ela e compatriota falam sobre maternidade, experiências da imigração e sonhos.

Leia tudo

Enquanto amamenta Adriano, que tem um mês de vida, Lupe Marque, de 20 anos, alisa a barriga com a mão e lembra do que passou para atravessar grávida a fronteira da Venezuela para o Brasil, em uma viagem que envolveu dias de caminhada e quase nenhuma comida. “Minha barriga estava tão pequena que achei que meu bebê estava desnutrido”. Esse é seu primeiro Dia das Mães como mãe, e a primeira vez que passa a data longe de casa.

Os cerca de quatro mil quilômetros que separam São Paulo da Venezuela estão repletos de saudades, saudades das pessoas, dos hábitos e de casa. Apesar de saudade não fazer parte do vocabulário em espanhol, o sentimento é igual ao que os brasileiros nomearam.

"Eu sinto muita falta e tenho vontade de voltar, mas não do jeito como está. A nossa cultura está se perdendo com essa situação", concluiu Lupe.

Ela chegou à Pacaraima, cidade brasileira que faz fronteira com a Venezuela, em Roraima, no dia 26 de fevereiro. Dali para Boa Vista foram três dias de caminhada. Lá, Lupe passou a dormir na praça Simón Bolivar ao lado do marido Antoni, de 25 anos.

O casal veio fugindo da crise de desabastecimento que enfrenta a Venezuela. Eles fazem parte dos quase três milhões de venezuelanos que deixaram o país nos últimos cinco anos. Cerca de 200 mil vieram para o Brasil.

Sem nenhuma consulta de pré-natal, Lupe deu a luz um mês depois da chegada, em um hospital público da cidade. Mas, apenas três dias depois do parto ela estava de volta à praça. Dessa vez com Adriano já em seus braços. A maior preocupação era protegê-lo do sol de Boa Vista, que nessa época do ano chega a atingir 34°C.

Dois dias depois, ao verem o tamanho do recém-nascido, policiais propuseram uma mudança para São Paulo, cidade onde seria mais fácil arranjar emprego e onde a família teria apoio de uma instituição para recomeçar. Esse intercâmbio faz parte de ações integradas federais e municipais para lidar com a crise migratória. Lupe, Antoni e Adriano desembarcaram na Missão Paz, entidade que acolhe e orienta imigrantes no Centro, no dia 5 de abril.