Uber paga US$ 245 milhões para encerrar disputa judicial com Waymo

Uber paga US$ 245 milhões para encerrar disputa judicial com Waymo

A disputa judicial entre Uber e Waymo chegou ao fim nesta sexta-feira (9): a empresa de transporte concordou em dar 0,34% de suas ações à subsidiária de carros autônomos do Google. As duas brigavam

Leia tudo

A disputa judicial entre Uber e Waymo chegou ao fim nesta sexta-feira
(9): a empresa de transporte concordou em dar 0,34% de suas ações à
subsidiária de carros autônomos do Google. As duas brigavam devido a
suspeitas de que o Uber teria roubado propriedade intelectual por meio
de um ex-funcionário do Google.

Pelo acordo, o Uber se compromete a
não utilizar tecnologias secretas da Waymo em seus carros autônomos,
nem agora, nem no futuro. Em troca, a Waymo retira as acusações contra o
Uber e recebe o equivalente a US$ 245 milhões em ações do aplicativo de
transporte, que é avaliado em US$ 72 bilhões, segundo o Wall Street Journal. Não houve pagamento em dinheiro. 10/02/2018 às 09h21

A
disputa judicial entre Uber e Waymo chegou ao fim nesta sexta-feira
(9): a empresa de transporte concordou em dar 0,34% de suas ações à
subsidiária de carros autônomos do Google. As duas brigavam devido a
suspeitas de que o Uber teria roubado propriedade intelectual por meio
de um ex-funcionário do Google.

Pelo acordo, o Uber se compromete a
não utilizar tecnologias secretas da Waymo em seus carros autônomos,
nem agora, nem no futuro. Em troca, a Waymo retira as acusações contra o
Uber e recebe o equivalente a US$ 245 milhões em ações do aplicativo de
transporte, que é avaliado em US$ 72 bilhões, segundo o Wall Street Journal. Não houve pagamento em dinheiro.

Waymo Firefly

Tudo começou quando,
em agosto de 2016, o Uber comprou a startup de caminhões autônomos Otto
por US$ 680 milhões. O cabeça da empresa era Anthony Levandowski,
ex-engenheiro do Google que estava envolvido em um projeto de carros
autônomos em Mountain View. Segundo a Waymo, ele baixou 14 mil arquivos
sigilosos para seu notebook pessoal antes de ser contratado como um alto
executivo do Uber. No final, Levandowski acabou sendo demitido pelo Uber por não cooperar com as investigações.

O acordo, como lembra o The Verge,
é ótimo para o Uber: a empresa de transporte deve abrir seu capital na
bolsa de valores em breve (o CEO Dara Khosrowshahi já fala em 2019) e a
negociação significa que o Uber vai evitar anos de briga (e gastos) na
justiça contra uma das maiores empresas de tecnologia do mundo.