Trabalhadores da Ford,Vai entrar em greve geral por, Lula Livre

Trabalhadores da Ford,Vai entrar em greve geral por, Lula Livre

Assembleia dos trabalhadores da Ford nesta quinta-feira (19) para discutir a pauta da campanha salarial e o cenário pós-prisão do ex-presidente Lula aprovou a criação do comitê Lula Livre, que vai

Leia tudo

Assembleia dos trabalhadores da Ford nesta quinta-feira (19) para discutir a pauta da campanha salarial e o cenário pós-prisão do ex-presidente Lula aprovou a criação do comitê Lula Livre, que vai organizar mobilizações na região, criar abaixo-assinados em defesa do ex-presidente Lula e apoiar o Acampamento Lula Livre, instalado nas proximidades da PF em Curitiba.

O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT), Paulo Cayres, disse que o objetivo do comitê é organizar ações em defesa do ex-presidente Lula, bem como mostrar à sociedade o que está por trás da prisão política e injusta do primeiro metalúrgico do ABC que chegou à Presidência do Brasil.


“Os trabalhadores mostram que têm lado e que Lula é o favorito para eles nas eleições à Presidência deste ano, como também mostram pesquisas atuais no Brasil. Eles demostram total apoio ao ex-presidente e são claros em dizer que desacreditam no Judiciário brasileiro que condena sem provas um inocente”, diz o dirigente.

Entre as ações, o comitê pretende organizar mobilizações na região, criar abaixo-assinados em defesa do ex-presidente Lula e apoiar o Acampamento Lula Livre, instalado nas proximidadades da sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná, desde o dia 7 de abril, quando o ex-presidente decidiu cumprir a ordem judicial.


Para o coordenador-geral da representação na Ford, José Quixabeira de Anchieta, o Paraíba, injustiça é a palavra que resume o que está acontecendo com Lula. Ele fala sobre a importância do ex-presidente para a categoria e para o Brasil.

“Eu tenho 32 anos de Ford. Existem dois episódios que têm um peso muito grande para nós trabalhadores. Um, quando Lula assumiu o governo em 2002. Desde aquele ano, ele quase triplicou a quantidade de veículos vendidos. O que significou maiores empregos, maior PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e aumento real nos salários. Segundo, em 2005, num momento em que tínhamos incerteza se a fábrica de São Bernardo do Campo iria fechar, Lula foi pessoalmente até a Ford conversar com o presidente da fábrica no momento e, neste diálogo, mais a pressão dos trabalhadores, conseguimos manter a unidade no ABC”, relata.

*Com informações da CUT