Polícia fecha fábrica de camisas piratas da seleção brasileira

Polícia fecha fábrica de camisas piratas da seleção brasileira

RIO - A Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) desmantelou, nesta segunda-feira, uma fábrica de camisas piratas da seleção brasileira, em São João de Meriti, na

Leia tudo

RIO - A Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) desmantelou, nesta segunda-feira, uma fábrica de camisas piratas da seleção brasileira, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Ao todo, oito pessoas estão sendo conduzidas para a Cidade da Polícia, na Zona Norte do Rio, para serem ouvidas. Na ação, os agentes apreenderam cinco toneladas de material, bem como o maquinário utilizado na confecção das peças. Segundo o delegado Maurício Demétrio, titular da DRCPIM, os materiais e equipamentos apreendidos valem em torno de R$ 3 milhões.— Estávamos procurando esse galpão e hoje encontramos. Ele abastecia boa parte do Rio de Janeiro, incluindo a Baixada Fluminense e o camelódromo da Uruguaiana. A nossa estimativa é de que o faturamento da fábrica na época da Copa do Mundo seria de aproximadamente R$1,5 milhão com a venda das camisas — pontuou o delegado.O local tinha capacidade de produzir até mil camisas por dia, que eram vendidas no atacado (em grandes quantidades) a R$ 50, cada. Foram apreendidos ainda rolos de linha e artes com o escudo da Confedereção Brasileira de Futebol (CBF) da nova camisa da seleção, além de 84 tábuas utilizadas na impressão das roupas. A maior parte dos detidos pela equipe são costureiras. O proprietário ainda será identificado pela polícia. Ele irá responder por violação de propriedade material e formação de quadrilha.Um caminhão foi disponibilizado para buscar os materiais e equipamentos, que também serão levados até a Cidade da Polícia. A investigação estava sendo feita há cerca de um mês. A fábrica funcionava na Rua Camila César, na região central do município.