PicPay afirma que monitora grupos de pirâmide

PicPay afirma que monitora grupos de pirâmide

As práticas criminosas usando o PicPay já são reconhecidas pela startup, que afirma não compactuar com usos indevidos do aplicativo. A empresa ainda afirma que conta com uma equipe de 70 funcionários

Leia tudo

As práticas criminosas usando o PicPay já são reconhecidas pela startup, que afirma não compactuar com usos indevidos do aplicativo. A empresa ainda afirma que conta com uma equipe de 70 funcionários destinados, exclusivamente, para o monitoramento e identificação dessas práticas no aplicativo.

"Destacamos que o nosso objetivo é inibir qualquer indício de ilegalidade dos usuários no app e, para isso, já adotamos diferentes práticas que combateram e continuam destruindo todos os esquemas que não seguem nossos termos de uso e política de ética. Para isto, contamos com o apoio de uma área de prevenção com mais de 70 pessoas, que trabalham em diferentes frentes de combate, com mecanismos de monitoramento constante das atividades dentro do app, para identificar padrões de práticas ilegais, notificar e bloquear todos os perfis envolvidos em atividades proibidas", diz.

Ainda no comunicado enviado, Anderson Chamon ressalta que os esquemas de pirâmide são "um antigo fenômeno social" e que, como os convites para os grupos acontecem fora do aplicativo, a empresa não tem qualquer tipo de controle.

"Os problemas com esquemas de ganho de dinheiro fácil são um antigo fenômeno social e o recrutamento de outras pessoas ocorre fora do app, em diferentes redes sociais, nas quais não temos qualquer tipo de controle", diz nota.

A emprea tabém informou que, para coibir a prática de pirâmide ocorra por meio da plataforma, passou a limitar o compartilhamento do código promocional de R$ 10 para até três amigos e a quantidade de pagamentos que um usuário pode receber a partir de créditos da promoção. O limite, porém, não foi informado.

Além disso, o PicPay investe fortemente em campanhas de conscientização positiva sobre a correta utilização do app através de ações com influenciadores digitas, e também dentro dos seus canais próprios como redes sociais, e-mails e notificações push", diz nota.

Leia nota na íntegra:

"O PicPay, aplicativo de pagamentos lançado em 2012, que permite que seus usuários paguem pessoas e estabelecimentos com o celular, lançou uma campanha de indicação para incentivar a entrada de novos usuários e permitir que eles tenham uma experiência real de uso do aplicativo. Esta campanha consiste em conceder um crédito promocional, de R$10, a todos os novos usuários que criarem sua conta com o código de indicação de um amigo. Este crédito não pode ser sacado diretamente em sua conta bancária, ele só pode ser usado dentro do aplicativo, ou seja, consumindo algo em um estabelecimento que aceite PicPay, ou fazendo um pagamento a outros usuários da plataforma.

Com o sucesso da campanha e consequentemente aumento do número de usuários, identificamos alguns desvios de comportamento e usos indevidos do aplicativo. Entre os principais desvios estão a criação de contas em nome de marcas conhecidas ou usando o app como fonte de multiplicação de dinheiro em esquemas de pirâmides financeiras. O PicPay tem o conhecimento da existência dessas práticas e afirma que essa campanha e os nossos serviços nunca tiveram como objetivo se tornar uma fonte de ganho de dinheiro fácil ou de fomentar a criação de perfis falsos.

Destacamos que o nosso objetivo é inibir qualquer indício de ilegalidade dos usuários no app e, para isso, já adotamos diferentes práticas que combateram e continuam destruindo todos os esquemas que não seguem nossos termos de uso e política de ética. Para isto, contamos com o apoio de uma área de prevenção com mais de 70 pessoas, que trabalham em diferentes frentes de combate, com mecanismos de monitoramento constante das atividades dentro do app, para identificar padrões de práticas ilegais, notificar e bloquear todos os perfis envolvidos em atividades proibidas.

Os problemas com esquemas de ganho de dinheiro fácil são um antigo fenômeno social e o recrutamento de outras pessoas ocorre fora do app, em diferentes redes sociais, nas quais não temos qualquer tipo de controle. Para evitar que este tipo de prática ilegal ocorra através da plataforma do PicPay, adotamos outras ações de combate, como limitação de compartilhamento do código promocional para até 03 amigos e limitamos a quantidade de pagamentos que cada usuário pode receber, advindo de créditos da promoção. Além disso, o PicPay investe fortemente em campanhas de conscientização positiva sobre a correta utilização do app através de ações com influenciadores digitas, e também dentro dos seus canais próprios como redes sociais, e-mails e notificações push.

A campanha

Na campanha os usuários do PicPay têm um código de indicação dentro do menu "Seguir/Convidar amigos" que pode ser compartilhado com até 03 amigos que ainda não baixaram o app e desejam conhecer. Cada usuário novo só pode usar um único código, ou seja, ele não consegue ganhar mais do que R$10. Este valor só pode ser usado dentro do aplicativo, para pagar estabelecimentos cadastrados ou ainda pagar qualquer pessoa no app, em diversas situações como rachar a conta do bar, despesas de viagem ou vaquinha de presente de aniversário. O valor promocional não pode ser sacado para a conta bancária do usuário"