O AMIGO DO MEU FILHO

O AMIGO DO MEU FILHO

Cássio sempre chegava lá em casa e vinha com aquele jeito de moleque, me chamando de tia. Tia Ana para cá, tia Ana para lá. Não vi crescer, foi amigo que o Fê fez na faculdade. Não conhecia a

Leia tudo

Cássio sempre chegava lá em casa e vinha com aquele jeito de moleque, me chamando de tia. Tia Ana para cá, tia Ana para lá. Não vi crescer, foi amigo que o Fê fez na faculdade. Não conhecia a família, não sabia nada sobre ele. E ele era tão lindo. Eu era uma divorciada, de mente aberta, jovem, bonita, mas cansada de me envolver com homens sem noção. Meu filho tem 23 anos, os amigos dele também. Viviam lá em casa, talvez por eu ser um tipo diferente de mãe. Sempre fui o tipo de mãe de boa, que não brigava com a maconha, que não reclamava da musica alta, nem das meninas que iam para lá com eles.

Eu já fui jovem e já fiz tudo que eles fazem. Inclusive, acabo de lembrar que fiquei com o pai de uma das minhas amigas e que foi um dos melhores sexo da minha vida. Eu não sou uma louca, não me entendam mal. Nem faço nada de errado. Apenas sigo os meus instintos e naquela noite, o Fê e os amigos inventaram uma noite de pizza. Insistiram para que eu ficasse na sala com eles. Eu ali com meus 43 anos, sentada na sala com um bando de meninas e meninas de seus vinte e poucos.

Me senti feliz. Me senti viva. Cerveja rolando, musica boa, conversas interessantes. Eu estava admirada com aquela juventude, com aquelas cabeças tão feitas. Por um lado me senti orgulhosa por saber que era um pouco responsável por aquilo. O Fê sempre foi legal comigo, éramos muito amigos e confidentes. Acho que por ter sido quase sempre só nós dois, acabamos nos conectando mais. Eu tenho orgulho do filho que criei. Digo isso, para ficar bem claro que não estava lá feito uma mãe louca e metida, não, com meu filho não tinha disso.

Fomos bebendo, comendo, conversando e aquilo tudo foi ficando meio louco, pelo menos pra mim. Quando a turma inteira resolveu tomar banho de piscina, eu fiquei recolhendo as bagunças. Era uma noite quente e eu estava sem sono. Cássio recolheu os copos e os colocou na pia. Quando fui lavá-los, deixei um cair e acabei cortando o dedo, ele veio correndo ver o que havia acontecido. Pegou meu dedo e deu um rápida chupada nele, com um olhar quase que malicioso. Fiquei olhando para ele, sem nenhuma reação.

Não deu tempo para pensar muito, porque quando me dei conta, seus lábios já estavam nos meus. Me beijou com tanta vontade que o corpo inteiro respondeu. Depois do beijo, não falamos nada e ele foi para a rua com o resto dos amigos. Deixei a louca e fui para o meu quarto. Minha cabeça estava atordoada com aquela situação. De onde esse menino tirou essa audácia? Eu nunca dei margem para nada disso, sempre fui discreta, simpática mas sem muita intimidade. Eu fiquei apavorada, mas minha b*ceta tremia só de relembrar aquele minutinho que boca dele ficou na minha.

Tirei a minha roupa, coloquei uma velha camiseta, liguei o ar, liguei a TV e fiquei sentada na cama. Li um pouco, pensei bobagem, mas o tesão não me deixava em paz. Sentia minha b*ceta molhando cada vez que pensava no Cássio. Ouvi alguém bater na minha porta, disse para entrar. Era o Cássio. Levantei rapidamente e fui ao encontro dele. Tranquei a porta e balancei a cabeça. Eu não queria aquilo, só pensava na reação do Fê, mas quando vi, já estava com a boca de Cássio na minha novamente. Suas mãos percorriam o meu corpo e a boca descia para o meu pescoço. Era um tesão jamais sentido.

Dava para sentir o p*u dele saliente sob a bermuda molhada. Abri ela que caiu no chão. Ele esfregou aquele pau na minha b*ceta que estava encharcadinha sob a calcinha. Me arrepiei inteira. Puxou minha camiseta, me deixando apenas de c*lcinha. Ficou me olhando com um olhar surpreso. Sim, eu estava em forma. Rimos e continuamos nossos beijos. A boca dele foi descendo até os meus peitos. Sugava de um jeito sem igual, enquanto os dedos exploravam a minha b*ceta. Minha c*lcinha estava para o ladinho e ele me lambuzava inteira. Me empurrou contra a porta, erguendo meu corpo e beijando a minha boca com mais furor ainda.

Depois disso, empurrei ele de volta para a cama e tirei a cueca molhada dele. Fui para cima dele sem pensar muito encaixei minha b*ceta naquele p*u que estava muito duro. Senti entrando, enquanto suas mãos percorriam meu corpo. Comecei a cavalgar nele e sentir o p*u tocando no fundo. Ele apertava minha b*nda e me chamava de delícia. Rebolava lentamente e sentia cada parte do meu corpo tremer. Não tr*nsava há uns 2 meses, g*zei rápido. Quanto mais g*zava, mais rebolava e ele mais enlouquecido ficava. Saí de cima dele com um sorriso na cara. Ele me puxou pelos cabelos e me colocou de joelhos na beira da cama. Chegou bem pertinho, beijando meu pescoço e depois minha boca.

Uma mão puxava meus cabelos, a outra puxava meu corpo contra o dele. Foi metendo o p*u na minha b*ceta novamente e começou a socar com vontade. Tentava engolir meus gem*dos, mas não aguentava. Quando mais ele met*a, mais eu gritava de prazer. Ele me m*sturbava, me f*dia, me beijava e eu perdia as forças, completamente envolvida. Esmoreci aos seus pés e ele, rapidamente, me enfiou o p*u na boca, mandando ch*pá-lo.

Claro que eu ch*pei. Ch*pei com tanta vontade que ele me deu um tapa na cara. E quanto mais eu ch*pava, mais duro ele ficava. E quanto mais duro ficava, mais t*são eu sentia. O p*u começou a pulsar com mais intensidade e senti a p*rra invadindo a minha boca, tomei tudo. Fiquei lambendo cada gotinha perdida e ele gem*a baixinho enquanto me admirava com seu p*u na boca.

Sentamos no chão, escorados na cama e ficamos rindo de tudo que fizemos. Cássio era tão doce, tão gentil. Ofereci uma bebida, ele agradeceu. Perguntei se queria passar a noite ali, ele perguntou se o Fê não ia se importar. Não pensei no que meu filho iria achar, mas eu sei que eu gostei e que ambos somos livres para viver tudo que temos direito. Deitamos na cama e começamos com outros beijos. Cássio queria me provar que sua boca se encaixava perfeitamente em todos os meus lábios. Eu que nunca fui de negar nada pra vida, deixei ele me provar tudo que tinha vontade.

Posts Relacionados