Nova tarifa de ônibus já neste sabado

Nova tarifa de ônibus já neste sabado

A partir de hoje começa a valer o novo valor do transporte público de Campinas. Para quem paga a passagem com dinheiro, o valor passou de R$ 4,50 para R$ 4,70. Vale lembrar que dinheiro na catraca só

Leia tudo

A partir de hoje começa a valer o novo valor do transporte público de Campinas. Para quem paga a passagem com dinheiro, o valor passou de R$ 4,50 para R$ 4,70. Vale lembrar que dinheiro na catraca só será aceito até o dia 16 de fevereiro. Depois dessa data, somente o bilhete com o sistema de QR Code (Quick Response Code, Código de Resposta Rápida na sigla em Inglês) será aceito no sistema.
Esta sexta-feira (5) foi o último dia para que os usuários recarregassem o bilhete único no valor de R$ 4,20, antes do reajuste para R$ 4,30. O valor congelado pode ser usado até o final dos créditos. A recarga podia ser feita nos postos da Transurc espalhados pelo município. Pela manhã, a reportagem percorreu as unidades dos terminais Mercado Municipal e Metropolitano e o movimento era tranquilo em ambos os locais.
O reajuste do valor da tarifa para o Bilhete Único Comum foi de 2,38%, ou seja, de R$ 0,10. Já para quem paga em dinheiro e bilhete QR Code a alta foi de 4,4%. O aposentado Cláudio Portuguez da Silva, de 54 anos, foi um dos poucos usuários que foi logo pela manhã garantir uma recarga para os próximos 30 dias, no bilhete único. “Carreguei com R$ 60 e vou economizar R$ 0,10 por passagem. Acredito que dá umas 15 viagens. É pouco, mas é uma boa economia”, disse.
O valor da tarifa para o bilhete único comum continua como referência para o bilhete único escolar e o bilhete único universitário. Assim, a passagem com o uso do bilhete único escolar fica R$ 1,72 (60% de desconto) e com o bilhete único universitário, R$ 2,15 (50% de desconto). A integração com o bilhete único está mantida em duas horas. A partir do embarque no terceiro ônibus será cobrado o valor de R$ 0,40.De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, para 2018 a Administração municipal manterá o subsídio para o transporte público, como forma de promover o equilíbrio financeiro do sistema, sem praticar uma tarifa mais elevada. A expectativa é da manutenção dos mesmos níveis praticados em 2017, quando foram direcionados R$ 57 milhões para o transporte público e R$ 12 milhões para o PAI-Serviço.A nova tarifa será a mais cara das dez maiores cidades do Estado de São Paulo. Segundo a Administração municipal, entre os fatores que contribuíram para o aumento dos valores está a alta acumulada no preço do diesel desde janeiro. “Entre janeiro até dezembro de 2017, o combustível teve reajuste de 6,82%, quase três vezes mais que a reposição praticada na tarifa com o Bilhete Único Comum”, frisou em nota, e acrescentou que na cesta de insumos que compõem o transporte público, o diesel representa 26,93% do custo total do sistema. “Também entram na cesta itens como remuneração dos motoristas, pneus.”De acordo com a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), foi feito um levantamento preliminar que apontou queda de 6,7% no total de passageiros transportados pelo sistema. Entre janeiro até novembro de 2017 foram transportados 151.569.928 passageiros. No mesmo período de 2016 foram transportados 162.455.961 passageiros.