No mesmo planeta, alguém paga 220 milhões de euros por um jogador.

No mesmo planeta, alguém paga 220 milhões de euros por um jogador.

No mesmo planeta, alguém paga 220 milhões de euros, por um Jogador.

Leia tudo

A combinação de preços altos, conflitos e condições climáticas extremas aumentaram o número de pessoas afetadas pela fome no mundo para 108 milhões em 2016, segundo um relatório elaborado pela ONU e pela União Europeia (UE) e publicado nesta sexta-feira.

Esse total representa um aumento de 35% das pessoas que enfrentam uma “insegurança alimentar grave”, cujo número era estimado em 80 milhões em 2015.

A “insegurança alimentar grave” é caracterizada pela desnutrição aguda e pela falta de meios para cobrir as necessidades energéticas de maneira regular, como pode ser o caso das famílias que são obrigadas a matar seu gado para sobreviver.

Esta insegurança alimentar pode se agravar mais ainda neste ano, na medida em que a fome ameaça diretamente quatro países: Sudão do Sul, Somália, Iêmen e o nordeste da Nigéria.

O relatório, que se baseia em várias metodologias de medição, é resultado de uma colaboração entre a UE, várias agências da ONU, a agência americana Usaid e vários organismos regionais especializados.

Entre as condições meteorológicas estudadas figuram principalmente as secas e chuvas irregulares causadas pelo fenômeno El Niño. Mas em nove de dez crises humanitárias de 2016, o maior fator responsável pela fome foi um conflito civil.

Além das regiões ameaçadas pela fome, países como Iraque, Síria (assim como os refugiados sírios nos países vizinhos), Malauí e Zimbábue sofreram com uma generalização da insegurança alimentar.

“Podemos impedir que pessoas morram de fome”, disse José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização de Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (Fao), que fez um chamado à “intensificar os esforços para salvar, proteger e investir em meios de subsistência rurais”.

“A fome exacerba as crises, causando mais instabilidade e insegurança. O que aparece hoje como um desafio ligado à segurança alimentar se torna depois um desafio ligado à segurança”, advertiu Ertharin Cousin, diretora do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

“É uma corrida contra o tempo, o mundo deve agir agora para salvar as vidas e os meios de subsistência de milhões de pessoas”, alertou.