Ministro do Meio Ambiente pede que Polícia Federal investigue incêndio

Ministro do Meio Ambiente pede que Polícia Federal investigue incêndio

O Ministro interino do Meio Ambiente, Marcelo Cruz, pediu que a Polícia Federal apure as causas do incêndio na Chapada dos Veadeiros. Cruz afirmou ter recebido relatos de moradores da área que teriam

Leia tudo

O Ministro interino do Meio Ambiente, Marcelo Cruz, pediu que a Polícia Federal apure as causas do incêndio na Chapada dos Veadeiros. Cruz afirmou ter recebido relatos de moradores da área que teriam vistos homens em motocicletas carregando galões de gasolina. Isso reforçaria a suspeita do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) de que o fogo tenha origem criminosa. "Pelo levantamento que obtivemos, os focos estão em áreas 'estratégicas' para que o fogo se alastre", afirmou o ministro. Os primeiros focos apareceram em 10 de outubro, mas apenas no dia 17 o incêndio tomou as proporções gigantescas.

Marcelo Cruz embarca no início da tarde desta quarta-feira (25/10) em um avião rumo à Chapada dos Veadeiros. Em entrevista coletiva, ele afirmou que, até sexta-feira (27/10), as chamas devem ser controladas. "Sabemos que os ventos fortes, temperaturas médias de 37°C e o longo período de estiagem dificultam as ações de combate. Mesmo assim, garanto que está sendo controlado", garantiu o ministro.

Equipes do ICMBIO, do Ibama, dos Corpos de Bombeiros do DF e do GO estão no local com viaturas, aviões-tanque e helicópteros. O Ministério do Meio Ambiente estima que 300 pessoas trabalham para conter o fogo na Chapada dos Veadeiros. O desastre consumiu 64 mil hectares de cerrado, o equivalente a 26% da área do Parque Nacional.

O presidente do Ibama, Luciano Evaristo, prometeu autuar os responsáveis pelo suposto crime. "Essas pessoas destruíram uma área enorme. Faremos o possível para que paguem por isso", enfatiza. As investigações devem começar após o controle total das chamas. Por motivos de segurança, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros segue interditado para visitação, por tempo indeterminado.