Mesmo preso, Picciani continua com salário de deputado de R$ 25,3 mil.

Mesmo preso, Picciani continua com salário de deputado de R$ 25,3 mil.

Mesmo presos, os deputados do MDP Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo continuam com as prerrogativas dos cargos. Detidos desde novembro, graças à Operação Cadeia Velha, os ex-parlamentares

Leia tudo

Mesmo presos, os deputados do MDP Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo continuam com as prerrogativas dos cargos. Detidos desde novembro, graças à Operação Cadeia Velha, os ex-parlamentares permanecem recebendo salários de R$ 25,3 mil, pagos pela Assembleia Legislativa e o Tribunal de Contas do Estado, segundo o Portal da Transparência da Casa.Conselheiros mantidos afastados por causa da operação e indicados dos deputados também continuam com privilégios. No total, o gasto com o pagamento e manutenção de cargos chega a R$ 1,7 milhão para os cofres públicos durante os três meses. Ainda conforme o site e no Diário Oficial, Picciani continua como presidente estadual do MDB e presidente da Assembleia. No entanto, quem ocupa o lugar dele, interinamente, é André Ceciliano (PT).Segundo informações da Folha de S. Paulo, não estão sendo computadas faltas aos deputados por causa do afastamento, apesar de, no painel de votações, constar que o trio, denunciado pelo Ministério Público Federal sob suspeita de elaborar leis a favor de empresas de transporte em troca de pagamentos, é ausente.Questionada sobre a continuidade do pagamento dos salários, a direção da Casa afirmou que, "como se trata de afastamento judicial, os deputados continuam na titularidade de seus mandatos e, portanto, recebendo salários". A justificação da Assembleia ainda citou a situação idêntica no TCE como argumento.