De prótese de silicone à cárie: veja 10 mitos e verdades sobre amamentação

De prótese de silicone à cárie: veja 10 mitos e verdades sobre amamentação

Durante a gestação e até mesmo depois do parto muitas dúvidas podem surgir sobre amamentação. A crendice popular que ronda a gravidez e seus desdobramentos pode ser mal interpretada por mães e, por

Leia tudo

Durante a gestação e até mesmo depois do parto muitas dúvidas podem surgir sobre amamentação. A crendice popular que ronda a gravidez e seus desdobramentos pode ser mal interpretada por mães e, por que não, por pais desavisados também. A pedido do G1, a odontopediatra e amamentóloga Karina Falsarella, juntamente com a pediatra neonatologista Maria Otília Bianchi, listaram dez "mitos e verdades" sobre o aleitamento materno.
As especialistas falaram sobre próteses de silicone, amamentação e cáries, mamadeiras e outros temas. Confira a lista completa, abaixo:
Leite fraco ou pouco leite? – Mito
"Leite fraco não existe!", ressaltam. O leite humano possui todos os nutrientes e fatores imunológicos importantes para as necessidades do bebê. Mesmo as mães desnutridas produzem leite com composição nutricional capaz de satisfazer as necessidades do recém-nascido.
"Segundo pesquisas, a aparência 'aguada' do leite materno comparado ao leite de vaca trouxe a imagem de ser um leite inferior", afirmam as especialistas.
"Além disso não conseguimos 'medir' exatamente a quantidade ingerida de leite vindo das mamas ao amamentar comparado à imagem e dosagem matemática exata de quanto o bebê ingeriu de leite vindo da mamadeira".
Silicone atrapalha a amamentação? – Mito
A prótese de silicone precisa ser colocada atrás da glândula mamária ou atrás do músculo peitoral. Se colocada corretamente, por um médico habilitado, o silicone não interfere no aleitamento.
Amamentação ajuda a mulher a emagrecer? – Verdade
Segundo as especialistas, a cada dia cerca de 700 calorias são eliminadas pela produção de leite pela amamentação, o que contribui de forma mais rápida ao retorno da forma física e ao peso anterior à gravidez.
Leite Materno após 6 meses é só 'água'? – Mito
"O leite materno após os 6 meses de amamentação, ajuda a prevenir infecções, já que fornece anticorpos enquanto for produzido", diz Karina.
Além disso, o ato de amamentar reforça o vinculo entre mãe e filho. O crescimento de crianças amamentadas de forma prolongada é maior do que em crianças desmamadas no segundo ano de vida.
Grávida não pode amamentar? – Mito
"A principal justificativa para o desmame durante a gravidez é o fato da ocitocina liberada durante o ato de amamentar provocar contrações uterinas podendo levar ao aborto", diz a pediatra neonatologista Maria Otília Bianchi.
Porém, se a gestação for normal, sem riscos e a mulher estiver saudável, a regra geral é que não existe problema algum em amamentar gestando outro bebê, conta a especialista.
"O nível de liberação de ocitocina, hormônio secretado durante as mamadas, é muito compatível com o nível de ocitocina liberada nas relações sexuais, que não são descartadas durante gestação saudável", completa.

Amamentação noturna causa cáries? – Mito
"O que acontece é a coincidência entre a erupção dos dentes com o início da alimentação complementar. E é aí que a confusão se instala. Amamentação noturna por si só não causa cáries, o que pode causar cáries é a alimentação noturna com leite artificial, tanto que o nome popular é 'cárie de mamadeira', afirma Karina.
Ela explica que, durante o período noturno, a salivação que protege a camada dentária é diminuída. Durante a amamentação no peito, no entanto, a saliva é, sim, estimulada pelos movimentos.
"Além disso, diversos fatores já comprovados ressaltam a importância da amamentação para desenvolvimento da face e fortalecimento dos dentes", explica.
Quanto mais o bebê mamar, mais leite a mãe produzirá? – Verdade
Segundo as especialistas, a produção de leite materno é como uma fábrica que trabalha sob demanda. Quanto mais o bebê mamar, mais leite será pela mãe. O estímulo mecânico é quase matemático.
Quando o bebê começa a sugar o bico do seio, a prolactina, o hormônio responsável pela produção do leite, é liberada no organismo.
Tipo de parto define se mulher terá sucesso na amamentação? - Mito
Todas as mulheres podem amamentar independentemente do tipo de parto, segundo as consultoras. O processo pode ser acelerado nos casos em que há trabalho de parto e o bebê nasce pela vagina. Mas, mesmo nas cesáreas, o leite é produzido pelo corpo sem problemas.
Mamadeira, chupeta e bicos interferem no aleitamento? – Verdade
"A recomendação é que as mães não se utilizem chupetas, mamadeiras e nenhum bico pois esses produtos prejudicam o desenvolvimento da arcada dentária, a deglutição, respiração da criança além de proporcionar confusão de bicos", conta a odontopediatra.
Segundo Karina, o bebê precisa se acostumar com a aréola e mamilo, que é o bico natural.
"A forma como os bebês sugam no peito da mãe é diferente da forma como os bebês sugam na chupeta e mamadeira. Quando ambos são usados, pode acontecer do bebê preferir o que é mais fácil para ele, que são normalmente os bicos artificiais. Ao mamar no peito da mãe, o bebê demora mais tempo e faz mais esforço dos músculos, o que é saudável".
Devo preparar mamas na gestação com cremes e buchas? – Mito
O uso destes produtos além de não ajudar, prejudicam na amamentação. "A natureza é tão sábia que já prepara as mamas da mãe para a amamentação durante a gravidez. Lubrificação, coloração, proteção e o que for necessário é adequadamente adaptado na pele, aréola e mamilo da mãe", completa.