Caixa debocha de idosa na loja – a resposta que recebe a deixa sem palavras

Caixa debocha de idosa na loja – a resposta que recebe a deixa sem palavras

As gerações mais velhas contribuíram muito durante suas vidas. Eles viveram em muitos períodos diferentes e, claro, têm uma boa compreensão de como as coisas mudaram ao longo do tempo. Um produto

Leia tudo

As gerações mais velhas contribuíram muito durante suas vidas. Eles viveram em muitos períodos diferentes e, claro, têm uma boa compreensão de como as coisas mudaram ao longo do tempo. Um produto disso é que eles têm uma experiência de vida valiosa sobre os jovens.

Infelizmente, isso nem sempre é respeitado. Os jovens às vezes pensam que sabem mais do que os mais velhos. Isso foi exatamente o que aconteceu quando uma idosa se dirigiu para um caixa de supermercado. A conversa a partir daí se tornou viral, sendo compartilhada no Facebook mais de 1,5 milhão de vezes – e não é difícil entender o porquê.

Não está claro se esta é uma história inteiramente fictícia, ou se suas raízes foram criadas nos sombrios porões do Facebook. Porém, para mim, onde se originou não é tão importante quanto o conteúdo.

De qualquer forma, tudo começa com uma mulher idosa se aproximando da atendente que estaria fazendo as vezes de caixa. A funcionária incitou a mulher a trazer suas próprias sacolas para a loja porque “os sacos de plástico não são bons para o meio ambiente”.

A idosa se desculpou e tentou explicar: “É que não tínhamos essa ‘coisa verde’ na minha época”.

Em vez de aceitar essa resposta, o caixa devolveu: “Esse é o nosso problema hoje. Sua geração não se importou o suficiente para salvar nosso ambiente para as futuras gerações.

Foi então que a senhora reagiu. E a resposta é algo que todos deveriam ler e entender.
A idosa decidiu que ela não ia levar esse desaforo e disse:

“Naquela época, devolvíamos as garrafas de leite, de refrigerante e de cerveja para os mercados. E eles os mandava de volta à fábrica para serem lavados, esterilizados e reabastecidos, para que se pudessem usar as mesmas garrafas repetidas vezes. Então eles eram reciclados. Mas nós não tínhamos a ‘onda verde’ nos nossos dias”

Ela continuou: “As mercearias guardavam nossos mantimentos em sacos de papel que reutilizávamos para inúmeras coisas. O mais memorável era o uso deles como capas de livros para os livros da escola. Isso era para garantir que a propriedade pública (os livros fornecidos para nosso uso pela escola) não fosse desfigurada por nossos rabiscos. Depois, podíamos personalizar nossos livros nos sacos de papel. Mas, pena que não tínhamos a ‘consciência coisa verde’ naquela época.

O caixa recuou, mas a velha senhora continuou falando.

“Naquela época, tínhamos uma TV ou rádio em casa – não uma TV em todos os cômodos. E ela tinha uma tela pequena do tamanho de um lenço (lembra-se deles?), Não uma do tamanho do estado de Montana. Na cozinha nós misturávamos à mão os ingredientes porque não tínhamos aparelhos para fazer tudo por nós. Quando empacotávamos um item frágil para enviar pelo correio, usávamos jornais velhos para protegê-los, não isopor ou plástico bolha. Naquela época, nós não ligávamos máquinas e queimávamos gasolina apenas para cortar grama. Nós usávamos um cortador de grama que funcionava com energia humana. Nós nos exercitávamos trabalhando para que não precisássemos ir a uma academia para correr em esteiras que operam com eletricidade. Mas você está certa; nós não tínhamos a ‘coisa verde’ naquela época”

Nesse momento, outro caixa abriu uma fila, mas a senhora não tinha acabado.

“Naquela época, lavávamos as fraldas do bebê porque não tínhamos as descartáveis. Nós secávamos roupas em um varal, não em uma máquina devoradora de energia queimando 220 volts. Vento e energia solar realmente trabalhavam nas nossas roupas naquela época. As crianças usavam roupas de segunda mão de seus irmãos ou irmãs, nem sempre novas.

‘Naquela época, as pessoas pegavam o bonde ou um ônibus e as crianças iam de bicicleta para a escola ou andavam em vez de transformar suas mães em um serviço de táxi 24 horas ou van que custam US$ 45.000 da família, que valia o que uma casa inteira fazia antes da ‘onda verde’.
Então a idosa finalmente chegou ao seu final:

‘Não é triste a geração atual lamentar o quão desperdiçadores nós velhos éramos só porque não tínhamos a ‘consciência verde’ naquela época?’

Naturalmente, a caixa ficou sem palavras. A senhora empacotou as compras e saiu do mercado. Tenho certeza de que a jovem balconista pensará duas vezes antes de desafiar alguém de uma geração mais velha em relação à conscientização ambiental. As pessoas mais jovens geralmente acham que sabem o que é melhor e, embora às vezes esse seja o caso, é sempre importante ouvir as pessoas mais velhasque viram e fizeram coisas que seus colegas mais jovens não fizeram