Boa notícia, Sérgio moro pode ser expulso da polícia federal amanhã entenda.

Boa notícia, Sérgio moro pode ser expulso da polícia federal amanhã entenda.

Após dois anos da divulgação ilegal das conversas telefônicas da Presidenta Dilma Rousseff, o juiz Sérgio Moro – finalmente – pode ser julgado pelo Conselho Nacional de Justiça. A denúncia

Leia tudo

Após dois anos da divulgação ilegal das conversas telefônicas da Presidenta Dilma Rousseff, o juiz Sérgio Moro – finalmente – pode ser julgado pelo Conselho Nacional de Justiça. A denúncia apresentada pelos deputados Paulo Lula Pimenta (PT-RS), Wadih Lula Damous (PT-RJ), Afonso Lula da Silva (PT-BA), Henrique Lula Fontana (PT-RS), Paulo Lula Teixeira (PT-RS), Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Rubens Pereira Jr. (PCdoB-MA) está na pauta desta terça-feira (24) do CNJ.

Sérgio Moro é acusado pelos crimes de “interceptação telefônica da Presidente da República, de Ministros de Estado e de Senador da República, competência exclusiva do Supremo Tribunal Federal”; por “tornar público o conteúdo dessas gravações sem autorização judicial e com objetivos não autorizados em lei”, e por violar o sigilo profissional na comunicação profissional entre advogados e clientes, previstas pelos parágrafos 6º e 7º do art. 7º da Lei 8.906/94”.


Líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Lula Pimenta lembra que há dois anos Sérgio Moro conta com a proteção e o corporativismo do CNJ para não julgá-lo. O petista diz que ao ser julgado, Moro terá que ser, obrigatoriamente, declarado criminoso, e essa é a razão de tanta blindagem ao juiz da Lava Jato. “Se não declarar Sérgio Moro criminoso, o CNJ estará dizendo que qualquer juiz de primeira instância poderá grampear o Presidente da República, ministros do STF, do STJ. Por isso, a ministra


Cármen Lúcia tem tirado esse assunto da pauta e impedido o CNJ de fazer esse julgamento”.

No dia 16 de março, o juiz Sérgio Moro grampeou uma conversa da presidenta Dilma Rousseff com o ex-Presidente Lula e, posteriormente, divulgou os áudios à Rede Globo, horas após o anúncio oficial do nome de Lula como chefe do gabinete da Casa Civil do governo federal. A decisão de Moro violou o artigo 102 da Constituição Federal e a Lei nº 9.296/96.


Mesmo assim, em várias declarações à imprensa, Sérgio Moro afirma não ter se arrependido de ter cometido tais ilegalidades. “Trata-se de um fora da lei, alguém que tem certeza da impunidade”, condena o deputado Paulo Pimenta.