Após tsunami, quase 300 espécies viajaram do Japão aos EUA

Após tsunami, quase 300 espécies viajaram do Japão aos EUA

Após tsunami, quase 300 espécies viajaram do Japão aos EUA Desastre de 2011 provocou maior e mais longa migração marinha já registrada. Milhares de moluscos, atravessaram o oceano.

Leia tudo


Desastre de 2011 provocou maior e mais longa migração marinha já registrada. Milhares de moluscos, mexilhões e peixes atravessaram o Pacífico e ameaçam espécies nativas na costa americana.


Otsunami que devastou a costa leste do Japão em 2011 fez com que quase 300 espécies marinhas viajassem através do Pacífico até o litoral dos Estados Unidos, na maior e mais longa migração marinha já registrada.
Um grupo de cientistas americanos realizou buscas em praias dos estados de Washington, Oregon, Califórnia, Columbia Britânica, Alasca e Havaí, onde rastrearam a origem das espécies até o Japão, segundo o estudo divulgado nesta quinta-feira (28) pela revista científica "Science".
"Este acabou sendo um dos maiores experimentos naturais não planejados na biologia marinha – talvez na história", afirmou o especialista John Chapman da Universidade Oregon State, um dos coautores do estudo, citado pelo jornal britânico "The Guardian".
O tsunami, resultante de um terremoto de magnitude 9,0 no dia 11 de março de 2011, gerou em torno de cinco milhões de toneladas de escombros nos municípios de Iwate, Miyagi e Fukushima.
Segundo os especialistas, 70% dos destroços se depositaram no fundo do mar, mas uma quantidade incontável de objetos flutuantes foi arrastada pelas correntes marítimas.
A chegada das quase 300 espécies japonesas à costa oeste dos EUA poderá causar sérios problemas caso esses organismos consigam se fixar no novo ambiente, se sobrepondo às espécies nativas.