Acorda Brasil: Criolo/ Por dentro de 5 músicas do artista

Acorda Brasil: Criolo/ Por dentro de 5 músicas do artista

O rapper paulista Criolo, de 42 anos, participou recentemente das manifestações a favor da renúncia do presidente golpista, vulgo Michel Temer, na capital paulista. Manifestações políticas, aliás,

Leia tudo

O rapper paulista Criolo, de 42 anos, participou recentemente das manifestações a favor da renúncia do presidente golpista, vulgo Michel Temer, na capital paulista. Manifestações políticas, aliás, fazem parte de suas composições artísticas - desde quando fez seu primeiro rap, em 1989-, e que serviram para fixá-lo como um dos principais rappers do país. Não apenas como um dos principais rappers do país, no seu último disco (Espiral de Ilusões), Criolo abre espaço para o samba, cujo gênero segundo o artista encontra-se presente na sua vida desde os tempos de infância no distrito paulista Grajaú.
Segundo o próprio Criolo, o samba é o principal meio de luta por igualdade no país, antes mesmo do rap, esse estilo tem origem no próprio Brasil escravista, iniciando-se com o batuque dos africanos escravizados e “mestiçado” com outros gêneros que já circundavam o imenso país. Como foi criado pelos negros, num país escravista e racista, o samba a partir do século XIX, com o início da urbanização brasileira e o início das aglomerações, hoje conhecidas como favelas, o samba serviu para retratar as condições de vida nesses ambientes e denunciar o tratamento recebido pelos negros nos grandes centros urbanos. Até hoje, tais questões ainda são recorrentes, e o Criolo, que viveu numa favela utiliza-se da arte para denunciar as mazelas que ainda assolam essas comunidades e seus moradores; vítimas do mito da “cidadania brasileira”, pois a democracia brasileira está cada vez mais se tornando uma ditadura das grandes organizações do capital, não há condições adequadas de vida, como educação, saneamento básico e os subempregos aflorados pelo também mito, da meritocracia. Ademais o caos social, o músico também denota o caos psicológico que envolta a população do século XXI, massacrado pelas relações egocêntricas, distantes da utopia do respeito e do amor.
Como citado, que a arte do Criolo é uma denúncia da realidade, nada melhor do que debatê-la. Aí vão 5 músicas da sua obra:
Menino Mimado
“Meninos mimados não podem reger a nação”, uma mistura de samba e rap não poderia cair melhor como nessa música, do novo álbum lançado esse ano Espiral de Ilusão, cujo próprio Criolo delata que sempre quis lançar um álbum cantando samba e encontro agora um momento especial. Como ponto forte da interpretação dessa obra está a afronta entre o abismo social em que se encontra a maioria da população brasileira e a vida boa de quem rege a nação, tão bem representado pelos versos “então pare de correr na esteira e vá para rua”.
Grajauex
Lançada em 2011, junto com o disco “Nó de Orelha”, “Grajuex” revela uma situação comum nas favelas brasileiras, em especial na do distrito Grajaú, local de vivência do artista por muitos anos. A letra retrata o fator consumo que abastece a mente da população que não tem condições de fazer parte dessa lógica e é bombardeado por isso a toda hora. “The Grajauex, duas lajes é triplex”, como controsenso a essa lógica o artista usa como estratégia na construção da letra o “luxo da pobreza”, em que muitos deixam de comer para não fazer feio com o selvagem mercado de consumo, “Na favela, com fome, atrás dos Nike Air Max”.

Vasilhame
Outra crítica ao mercado de consumo, desta vez o de bebidas alcoólicas, que faz a cabeça principalmente de jovens, para que consigam fazer parte de um determinado grupo social; porém o consumo excessivo de álcool causa inúmeros problemas de saúde , atrelado com a falta da devida atenção governamental com o problema. “Álcool destrói o fígado e o rim”, não apenas esses órgãos, o consumo de álcool está relacionado com inúmeros casos de crescimento de tumores no corpo, pois é uma substância tóxica para o organismo, portanto o organismo deve agir contra essa substância, o que pode ocasionar mutações e o crescimento danoso de células. “Saber quem é o mais macho no jogo do vira-vira!”, já esse trecho revela a questão do status que o álcool possui na sociedade, “e a gente toma cachaça até no aniversário de Cristo”, além disso a falta de tratamento do governo combativo ao álcool como a outras drogas, apesar do álcool ser mais danoso para saúde é retratado, “o governo libera porque lucra com isso”.
É o Teste
“Realmente compreendi, sobreviver é só pros fortes”, essa música pode ser considerada um hino do rap brasileiro, pois faz uma crítica ao sistema opressor em que viveu o artista e não compreendido por quem não viveu numa “quebrada”, “Não se corromper pra nóis já é vitória”, já que, “sem oportunidades, o negócio que mais cresce é vender uma parada, ou então cantar um rap.”. Mas como foi a vida do próprio artista nem sempre é difícil compreender o garoto que quer virar um rapper “as mães que não compreendem os manos que cantam rap”, todavia “Amor de mãe não se escreve, ai não tem defeito, e apesar de todas a dificuldades “eu sigo. Porque a arte liberta”.
Não Existe Amor em SP
Single mais tocado do artista, ele descreve o “labirinto místico” que é a cidade de São Paulo, em que a ganância e a vaidade dissolvem o amor, ao lado dos contrates da cidade como visto nas denúncias dos grafites que gritam por toda parte, e dessa forma São Paulo é como um buquê, “Buquês são flores mortas”.