A educação e suas Precariedades no Brasil

A educação e suas Precariedades no Brasil

De acordo a Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) é responsabilidade das quatro principais organizações Nacionais: o governo Federal, dos Estados, o Distrito

Leia tudo

De acordo a Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) é responsabilidade das quatro principais organizações Nacionais: o governo Federal, dos Estados, o Distrito Federal e dos municípios, uma distribuição rentável do financiamento Brasileiro. A qualificação nos setores educacionais requer uma medida executiva das bases nacionais, repartindo e distribuindo igualmente os gastos públicos e adequando as soluções que melhores se enquadram para um padrão de vida adequado aos brasileiros.
O estado concentra uma percentagem de 25% dos recursos financeiros, enquanto que os impostos federais e as taxas municipais agregam apenas 18%. Uma quantia considerável, mas com péssima distribuição nos setores educacionais, resultado em uma sociedade concentrada em 13 milhões de pessoas analfabetas (segundo uma pesquisa feita pelo IBGE com dados de 2013), e aproximadamente 17,8% classificados com analfabetos funcionais. A realidade observada é compatível com as condições precárias que se encontram muitos brasileiros, que não tem oportunidades de receber uma educação satisfatória. E por tais motivos é que o rendimento escolar vem decaindo nos últimos anos, principalmente o ensino regular. E consecutivamente um bom número de jovens e adolescentes nem iniciam o ensino médio.
Tanto o estado como as outras organizações nacionais são responsáveis por suas próprias manutenções. É viável neste caso, uma fiscalização em períodos de acolhimento do dinheiro aos cofres público, para que haja sim um suporte nos setores educacionais e possibilitem uma atuação real e verídica do governo na qualidade de vida do brasileiro e não somente permaneça nos contratos estabelecidos formalmente ou informalmente.
Portanto, a péssima distribuição do financeiro pelo Estado nos cofres públicos resulta na precária base e infraestrutura das escolas públicas brasileiras. Outro fator novo que influência essas condições, repercute na base social em que se encontra um indivíduo, que possivelmente por problemas financeiros em casa, acabam abandonando os estudos para iniciarem uma vida de trabalho mais cedo. Provavelmente esse, como o outro fator citado anteriormente justifiquem a evasão de tantos adolescentes e jovens do ensino regular e médio.